Sarcoidose: o que é, causas, prevenção e tratamentos

Sarcoidose: o que é, causas, prevenção e tratamentos

sarcoidose iglicho

A sarcoidose é uma doença inflamatória autoimune que afeta um ou mais órgãos, com ênfase nos pulmões e gânglios linfáticos.

A inflamação pode alterar a estrutura e, possivelmente, a função dos órgãos afetados.

O que é sarcoidose?

A sarcoidose é uma doença inflamatória autoimune que atinge um ou mais órgãos, afeta comumente os pulmões e os gânglios linfáticos.

Como resultado da inflamação, caroços ou nódulos anormais (chamados granulomas) se formam em um ou mais órgãos do corpo.

Esses granulomas podem alterar a estrutura normal e possivelmente a função dos órgãos afetados.

Como prever a condição?

Embora ninguém possa prever como a sarcoidose irá progredir em um paciente, algumas pistas quanto ao curso da doença podem ser obtidas a partir dos sintomas.

  • Sensação geral de doenças;
  • Suores noturnos;
  • Perda de peso;
  • Fadiga;
  • Febre;

Geralmente significa que o curso da sarcoidose será relativamente curto e de gravidade leve.

Porém, sintomas de falta de ar e saliências da pele significam que a sarcoidose será mais duradoura e grave.

Os pulmões costumam ser o local mais comum dos sintomas iniciais para aqueles que apresentam um início gradual da doença a longo prazo, além de:

  • Os efeitos do sistema nervoso incluem perda de audição, meningite , convulsões ou distúrbios psiquiátricos (demência, depressão e psicose);
  • Desenvolvimento de batimentos anormais (arritmias), inflamação da cobertura do coração (pericardite) ou insuficiência cardíaca;
  • Dor nas mãos, pés ou outras áreas ósseas devido à formação de cistos;
  • Gânglios linfáticos aumentados no tórax e ao redor dos pulmões;
  • Gânglios linfáticos aumentados no pescoço, axilas e virilha;
  • Saliências ou manchas avermelhadas na pele;
  • Tosse seca persistente e falta de ar; 
  • Sufocamento nasal e voz rouca.

Quais sistemas do corpo são afetados pela sarcoidose?

Além dos pulmões e das glândulas linfáticas, os órgãos ou sistemas afetados aos sintomas mais perceptíveis são pele, olhos, sistema musculoesquelético, sistema nervoso, coração, fígado e rins.

Os sintomas dos pacientes também podem variar de acordo com o tempo de evolução da doença, onde os granulomas estão se formando, quanto tecido foi afetado e se a formação do granuloma ainda está ativa ou evoluiu para cicatriz.

Alguns pacientes que apresentam início súbito da doença têm a Síndrome de Lofgren, uma forma de sarcoidose que afeta os gânglios linfáticos e é acompanhada por um problema de pele que produz nódulos vermelhos sob ela, bem como febre e dor de artrite.

Os pacientes com Síndrome de Lofgren podem esperar um bom resultado, a doença desaparece por conta própria entre 85% e 90% das pessoas.

Como a sarcoidose progride?

Ao nível do tecido ou celular, a progressão da doença da sarcoidose pode ser dividida em três fases:

  • A primeira mudança observada é a inflamação;
  • Na segunda fase, formam-se granulomas (massas ou nódulos de tecido cronicamente inflamado e são o sinal clássico da sarcoidose), que são a tentativa do corpo de isolar organismos e outras partículas estranhas que são difíceis de erradicar ou descartar pelo sistema imunológico.
  • Na terceira fase, ocorre a fibrose (cicatrização) de tecidos ou órgãos. Se a cicatriz for extensa em um órgão vital, a sarcoidose pode ser fatal.

Em algumas pessoas, a doença avança de uma fase para a outra nos tecidos do órgão afetado. Para outros, as diferentes fases de alteração tecidual ocorrem no mesmo órgão ao mesmo tempo.

Muitos pacientes com sarcoidose, os granulomas desaparecem por conta própria em 2 a 3 anos, sem que o paciente saiba ou faça algo a respeito. Mas os granulomas podem evoluir para fibrose irreversível.

As alterações do sistema imunológico que permitem que a doença de uma pessoa progrida enquanto a doença de outra pessoa é solucionada ainda não são bem compreendidos.

O que causa sarcoidose?

O motivo exato da sarcoidose é desconhecido.

A doença pode aparecer repentinamente e depois desaparecer, ou pode se desenvolver gradualmente e produzir sintomas que aparecem e desaparecem por toda a vida.

Os pesquisadores acreditam que a doença é causada por uma resposta imune anormal (o sistema de defesa do corpo não reage como deveria a uma substância estranha.

Em uma pessoa saudável, a inflamação ocorre quando as células do sistema imunológico do corpo se unem para lutar contra o intruso em um local de órgão ou tecido.

Em uma pessoa com sarcoidose, no entanto, as células que vêm para lutar acabam se agrupando em pequenos nódulos chamados granulomas.

Ainda é incerto qual substância desencadeia a resposta anormal do corpo. Alguns pesquisadores sugerem que fungos, vírus ou bactérias são prováveis ​​desencadeadores.

Até agora, nenhum dado foi capaz de estabelecer de forma convincente e consistente essa conexão “infecciosa” como a causa da doença.

No entanto, alguns tipos de bactérias surgiram recentemente como possíveis candidatos e continuam a ser estudados de perto.

Como a sarcoidose é diagnosticada?

Como os sintomas e os achados laboratoriais associados à sarcoidose podem ocorrer em outras doenças, não existe um teste único que possa diagnosticá-la.

No entanto, o sinal clássico da doença é a formação de granulomas (massas ou nódulos anormais constituídos por tecido inflamado) em um ou mais dos principais órgãos do corpo.

Os granulomas relacionados à sarcoidose não são diferentes dos granulomas que ocorrem em outras doenças – um exame físico completo e histórico médico – incluindo histórico ocupacional, histórico de medicação e exposições ambientais devem ser feitos antes de concluir que a doença é, de fato, sarcoidose.

Que tipos de testes são usados ​​para diagnosticar?

  • Raios-X de tórax: fornece uma imagem dos pulmões, coração e nódulos linfáticos circundantes, e revela onde se formaram os glóbulos brancos que combatem infecções – frequentemente, a primeira indicação de sarcoidose, ele também pode mostrar o quanto os pulmões são afetados pela doença.
  • Broncoscopia: envolve a passagem de um pequeno tubo (broncoscópio) pela traquéia (traqueia) e pelos brônquios (vias aéreas) dos pulmões. O objetivo deste teste é inspecionar os tubos brônquicos e extrair uma biópsia(uma pequena amostra de tecido) para procurar granulomas e para descartar infecção.
  • Tomografia computadorizada: espécie de raio-x ainda mais detalhada dos pulmões e dos gânglios linfáticos do que uma radiografia de tórax de rotina.
  • Mediastinoscopia: procedimento cirúrgico que envolve uma pequena incisão na base do pescoço, por meio da qual um instrumento é passado para a biópsia de linfonodos na cavidade torácica.
  • Testes de função pulmonar (respiração): Esses testes medem como os pulmões estão funcionando, expandindo e trocando oxigênio e dióxido de carbono no sangue, registrando as mudanças no fluxo de ar, bem como o volume geral de ar expirado.
  • Exames de sangue: avaliando o número e os tipos de células sanguíneas e proteínas sanguíneas no corpo e se as células estão funcionando bem. Eles também rastreiam aumentos nos níveis de cálcio e função hepática anormal que às vezes acompanha a sarcoidose. medindo uma substância chamada enzima conversora de angiotensina (ECA), que é secretada em grandes quantidades pelas células que formam os granulomas.
  • Oximetria de pulso: este teste mede a quantidade de oxigênio no sangue por meio de um sensor conectado ao dedo do paciente. Se o nível de oxigênio estiver baixo, seu médico pode recomendar o uso de oxigênio suplementar.
  • Eletrocardiograma (EKG ou ECG): este é um teste de rotina que verifica a atividade elétrica do coração, que ajuda os médicos a detectar várias anormalidades no ritmo cardíaco.

Como é tratado?

Não há cura para a sarcoidose, mas a doença pode melhorar por conta própria com o tempo.

Muitas pessoas com sarcoidose apresentam sintomas leves e não requerem nenhum tratamento.

O tratamento, quando necessário, geralmente se enquadra em duas categorias – manutenção de boas práticas de saúde e tratamento medicamentoso.

Boas práticas de saúde incluem:

  • Parar de fumar;
  • Fazer check-ups regulares;
  • Beber de 8 a 10 copos de água por dia;
  • Ter 6 a 8 horas de sono todas as noites;
  • Praticar exercícios regularmente e controlar e manter o peso;
  • Comer uma dieta bem balanceada com uma variedade de frutas e vegetais frescos;
  • Evitar a exposição a poeira, produtos químicos, vapores, gases, inalantes tóxicos e outras substâncias que podem prejudicar seus pulmões;
  • Evitar quantidades excessivas de alimentos ricos em cálcio, vitamina D e luz solar, a luz solar recebida de atividades da vida diária é aceitável.

A medicação é usada ​​para aliviar os sintomas, reduzir a inflamação dos tecidos afetados, reduzir o impacto do desenvolvimento do granuloma e prevenir o desenvolvimento de fibrose pulmonar e outros danos irreversíveis a órgãos.

Os corticosteroides são eficazes na redução da inflamação e costumam ser os primeiros medicamentos usados ​​no tratamento da sarcoidose.

Os efeitos colaterais mais comuns do uso de corticosteroides são:

  • Acne;
  • Insônia;
  • Cataras;
  • Pressão alta;
  • Osteoporose;
  • Hematomas na pele;
  • Ganho de peso excessivo;
  • Aumento do risco de infecções;bDiabetes em pessoas suscetíveis, exercícios são uma ótima forma de prevenção do diabetes, saiba mais no artigo Atividades físicas e diabetes: cuidados e Benefícios.

Quando o tratamento é iniciado?

A decisão de iniciar o tratamento geralmente depende do sistema de órgãos envolvidos e da gravidade da doença.

Existem situações que o tratamento precisa ser administrado imediatamente, isso inclui pacientes com doenças neurológicas, cardíacas, com sintomas pulmonares graves ou piora da função pulmonar.

Acompanhe todas as novidades do iGlicho,

Basta entrar em nosso Grupo de Notícias.

Compartilhe:
0
20
Pin Share20

Posts Relacionados

Fazer comentário

Recent Posts